Arte com qualquer coisa

O artista plástico Vik Muniz em seu TED revelou o pensamento por detrás de suas criativas obras, que são feitas a partir de qualquer material, tais como algodão, fio de linha, açúcar, entre outros mais.

Cotidiano
9 meses atrás
Arte com qualquer coisa

A criatividade como obra artística

A arte é a habilidade que o homem utiliza para representar seus conceitos estéticos e que ao longo dos séculos encontrou diversas maneiras de expressão.

Para o artista plástico Vik Muniz o papel de criação artística está intimamente relacionado com a criatividade e que permite criar arte a partir de qualquer coisa.

Em um de seus quadros com a cena de um cachorro, por exemplo, a criatividade permite visualizar em seu traseiro uma galinha.

Um artista com gênio indomável

A própria vida de Vik Muniz contribuiu para o desenvolvimento de suas capacidades criativas. Tendo nascido no Brasil e vivido os turbulentos anos 70, o jovem artista teve que aprender a comunicar suas ideias de um modo subliminar.

Em seu primeiro trabalho, Muniz atuou no mercado de publicidade e ajudou a desenvolver técnicas de melhor visualização de painéis, o que lhe valeu um prêmio de reconhecimento.

Curiosamente, o fato de estar de vestido smoking no dia da premiação o levou a ser confundido por outra pessoa em uma briga e levar um tiro. Resultado, o acidente o fez se mudar para os EUA em 1983.

Embora tenha tido uma juventude muito conturbada, Muniz fez um retrospecto de sua vida e concluiu que as coisas que tinha feito – que pareciam loucuras – foram decisivas para atingir o patamar onde chegou.

Objetos incríveis

Já como iconoclástico, Muniz criou diversos objetos associadas a produtos e publicidade, entre as quais estão:

  • Crânio do palhaço
  • Joystick Ashanti
  • Pódio de balanço
  • Cafeteira pré-colombiana
  • Mesa Bonsai
  • Enciclopédia Britânica única
  • Meia lápide

Esculpindo com algodão

Em sua segunda fase, Muniz decidiu trabalhar com nuvens para revelar o conflito de identidade deste material que pode significar qualquer coisa, tal como suas obras sobre o Caracol e o Bule.

Um dos seus destaques foi a combinação de tufo de algodão com a imagem de nuvem e das mãos em oração de Durer.

Outro trabalho foi a nuvem gatinho, que na linguagem de Alfred Stieglitz pode ser considerado de equivalentes.

Arte com arames

Por ocasião da sua visita em Florença em 1994, Muniz se encantou como a Porta do Paraíso de Ghilberti que misturava a técnica de relevo e de perspectiva.

Inspirado pela ideia de trabalhar com novas dimensões ele começou a fazer arte com arames em fundo brancos, que pareciam à primeira vista desenhos de lápis mas que realmente tinham fisicalidade.

A obra de Macaco com Leica, por exemplo, mostram a criatividade e talento de Muniz em conseguir criar em arames a imagem do animal em cima de um galho segurando a famosa máquina fotográfica da época.

Já a obra Relaxamento utiliza do objeto de um copo – que parece ter gelo dentro – e um cinzeiro com um cigarro acesso, todos feitos de arames, para associar com a ideia de descontração.

A obra Fiat Luz mostra como até uma ideia simples pode ser representada com perfeição e originalidade.

A beleza de um emaranhado de fios

Outra evolução artística de Muniz foi da linha para os desenhos com sombra que permitiam trabalhar com materiais diferentes, onde os fios de costuras se transformaram em obras como:

  • Paisagem
  • Farol no oceano
  • Bosque

Retratos de açúcar

Como a criatividade não tem limite, Muniz decidiu trabalhar em representações como os pontos fotográficos só que feitos de açúcar em fundo preto.

Na linha caribenha Saint Kitts, o gênio de Muniz aproveitou das crianças do local para fotografar e mostrar ao mundo os plantadores mirins de açúcar feitos do mesmo material.

Cotidianum

O Cotidianum é muito mais que um site, é uma ideia de levar conteúdo que acrescente utilidades aos nossos seguidores, seja com carros, dicas, gastronomia, entretenimento e muito mais para o cotidiano.

Vamos Bater um Papo?