Aquecimento solar, será que vale a pena?

Em meio a uma crise hídrica que o Brasil enfrenta, e à alta dos preços da conta de luz, muita gente está partindo para o uso de energia solar. Mas será que realmente compensa ou é só mais uma moda passageira? Vamos dar algumas dicas para você entender o sistema e tomar essa decisão de forma consciente.

Casa e jardim
5 dias atrás
Aquecimento solar, será que vale a pena?

Como funciona o sistema de energia solar?

Aqui não pretendemos explicar a função técnica de cada equipamento que compõe o sistema de geração de energia solar (o objetivo não é ensinar a instalar o sistema), mas apenas uma noção geral para esclarecer suas principais dúvidas.

O sistema é composto por placas que são capazes de captar a luz solar e transformá-la em energia elétrica. A geração de energia acontece sempre que a luz do sol incidir sobre a placa, o que acontece mesmo em dias nublados, mesmo que em menor intensidade. Contudo, durante a noite, não á geração de energia.

Por isso, é aconselhável que o sistema seja conectado e homologado à rede elétrica (o chamado sistema on-grid). Dessa forma, toda energia gerada e não utilizado ao longo do dia, é direcionada para a rede elétrica pública, o que gera abatimento no consumo de energia que você fizer no período da noite.

Outra opção, bem mais cara, é a instalação de baterias estacionárias – além de serem caras possuem uma vida útil limitada – que poderão te deixar completamente independente da rede elétrica pública. Mas isso só vale a pena se você realmente fizer questão de ter total independência da rede pública.

Energia solar apenas para aquecimento de água, ou para toda residência?

A resposta a essa pergunta depende sobretudo do seu objetivo. Se você quer apenas diminuir o consumo excessivo do chuveiro, não há necessidade de montar um sistema completo. Basta instalar um sistema de placas com um boiler (reservatório de água quente) que alimente os pontos de água desejados.

Contudo, o encanamento deve ser específico e preparado para isso. Se você não tem esse encanamento dentro das paredes e não quer fazer uma grande reforma, deverá conviver com eles visíveis desde o boiler até os pontos de água. Não fica muito bonito, mas se isso não te incomoda pode ser uma opção.

Se, pelo contrário, você quer diminuir tanto quanto possível o consumo de energia na sua conta de luz, a ponto de quase zerar (em alguns casos zerar completamente), aí você deve partir para um sistema de geração de energia que alimente a residência inteira.

Apesar de parecer, num primeiro momento, um investimento muito maior do que apenas o aquecimento de água, na verdade você tem alguns gastos a menos: não vai precisar de um encanamento novo e nem do boiler para armazenar a água quente. Sem falar que isso valoriza muito o seu imóvel de uma forma geral, e ainda contribui para o planeta.

Quantas placas preciso para gerar energia em minha casa?

Uma das grandes perguntas que as pessoas fazem é de quantas placas são necessárias para gerar 100% da energia na residência. Embora essa pergunta dependa de diversos fatores, vamos tentar dar uma fórmula média que você pode fazer para estimar a quantidade necessária.

O primeiro passo é pegar sua conta de luz e ver a média de consumo de energia nos últimos 12 meses – ou pelo menos 6 meses – para ter noção de quanto é gasto com energia. Depois disso, é interessante também saber a média de consumo diário, o que se pode obter dividindo o consumo do mês por 30.

Vamos dar um exemplo que ficará mais fácil, estimando um consumo médio mensal de 600 kWh/M, e consequentemente um consumo médio diário de 20 kWh/M. Ou seja, o conjunto do equipamento precisa gerar pelo menos 20 kWh/M por dia.

Com esses dados, você precisa descobrir o potencial de irradiação solar do local onde você mora. Não se preocupe, é bem fácil chegar nessa informação. Você pode acessar o site do Centro de Referência para Energia Solar e Eólica (CRESESB) para saber quanto é a irradiação em sua região.

Depois de colocar as coordenadas da sua cidade – informação disponível no Google Maps – serão apresentados diversos valores. O que interessa para você, entretanto, é a “Maior média anual” e sua inclinação. Por exemplo, na região de Ribeirão Preto a inclinação ideal é de 21º para o Norte, com uma irradiação de 5,30.

Agora é possível saber que a potência do sistema será de 3,77 kWp. Considerando que a eficiência da energia transmitida nunca é de 100%, já que ocorrem perdas no meio do caminho, é interessante trabalhar com 75% de energia no ponto de consumo. Assim, temos necessidade de uma geração de 5,02 kWp para suprir a necessidade neste nosso exemplo.

Ou seja, se o painel solar gerar 500 W, e seu consumo é de 5.000 W (=5,02 kWp), você precisará de pelo menos 10 painéis para gerar a energia necessária ao longo do mês. Se as placas gerarem uma quantidade menor, você deve ajustar a conta.

Assim, a quantidade de placas vai depender da capacidade de geração da placa, da quantidade de energia que você precisa gerar, com base na irradiação solar de sua região, e da posição/direção que você efetivamente vai conseguir instalar as placas.

Quanto custa instalar um sistema de energia solar e quando vale a pena?

Claro que esta pergunta não tem uma única resposta. Tudo vai depender nas suas necessidades, do seu consumo, do seu objetivo e de onde você mora, como vimos acima. Isso sem falar que cada marca de equipamento vai ter um preço diferente.

O que podemos afirmar com certeza é que hoje em dia a instalação do sistema de energia solar já é muito mais barata do que foi há alguns anos. Isso se deve a diversos fatores, entre eles o contínuo crescimento da produção e aquisição por parte dos consumidores, no Brasil e no mundo.

Embora o percentual da população que adquire esse sistema ainda seja muito pequeno, nos últimos dois anos esse número mais que dobrou, e a fabricação cada vez maior também fez baixar os preços.

Então, dizer um valor seria muito temerário. Mas podemos dizer que os investimentos começam em uns 15mil reais. Claro também que cada empresa vai ser uma política diferente na forma de pagamento, e se for possível parcelar pode ser um grande incentivo para o consumidor.

Em recente matéria sobre os valores da instalação do sistema de energia solar, a Gazeta do Povo disse que os investimentos para o equipamento em residências podem variar entre 15mil e 50mil reais, a depender da quantidade de energia consumida.

Em quanto tempo tenho retorno do investimento?

Nessa mesma publicação mencionada no tópico anterior, afirmou que se o consumo atual de energia está gerando uma conta de 500 reais mensais, o sistema consegue recuperar até 6.000 reais por ano, e com isso o retorno aconteceria em menos de 3 anos, mas a média mais aceita é entre 4 e 5 anos. Afirmam ainda que se o gasto está abaixo dos 300 reais mensais, esse retorno pode demorar muito para chegar, e talvez nem compense.

Mas isso vai variar de caso a caso, trouxemos apenas alguns exemplos hipotéticos para dar uma noção geral para o leitor. O correto é você procurar uma empresa especializada e fazer um orçamento detalhado.

A boa notícia é que esse tipo de equipamento deve durar pelo menos 25 anos, e sua manutenção é barata, e recomendável uma vez por ano. Se você não tiver pressa no retorno, é um bom investimento no seu imóvel, que poderá valorizar em até 10% do valor.

Cotidianum

O Cotidianum é muito mais que um site, é uma ideia de levar conteúdo que acrescente utilidades aos nossos seguidores, seja com carros, dicas, gastronomia, entretenimento e muito mais para o cotidiano.

Vamos Bater um Papo?